Caminhada à Santiago

Seguir setas amarelas…

Quando esta edição do Terras do Homem sair para as bancas, já algumas dezenas de finalistas da Escola Secundária de Vila Verde (ESVV), acompanhados de sensivelmente uma dezena de docentes, se encontrarão na Galiza a realizar o X Caminho de Santiago da ESVV. Das inúmeras informações que foram recebendo, há uma que se destaca das demais …”seguir as setas amarelas”.

O Caminho é, desde a idade média, uma das mais importantes vias de peregrinação fomentando, por isso também, um elevado intercâmbio cultural. Todos os países da europa deram importante contributo para o seu aparecimento e desenvolvimento. Por ele passaram famílias reais, e também artistas, jograis, pintores, trovadores e romeiros, estes últimos, rumando a Santiago, muitas vezes apenas com a roupa que tinham no copo, um cajado, uma vieira e um saco às costas com o básico para a sobrevivência do dia a dia.

E é esta a proposta que temos feito aos nossos finalistas de há dez anos a esta parte: transformarem-se em peregrinos. Despojarem-se de muitas das coisas que acham essenciais no dia a dia, e perceberem no regresso a casa que afinal são supérfluas, que no Caminho, essencial mesmo é…seguir as setas amarelas.

Sabendo-os ao encontro do desconhecido, mas estando certos também que por estes dias irão adquirir uma nova paixão…fomos, pouco a pouco, verbalmente ou por escrito, semeando em todos eles “o bichinho” do caminhar. Depois, tentamos que percebessem que para uma atividade destas, deveriam cingir-se ao fundamental. E, fundamental será…caminhar e descansar, pois parafraseando Vasco Pinto de Magalhães, sj, “Só avança quem descansa”.

Vão ter de seguir setas amarelas, pois elas é que lhes vão indicar O Caminho, mas vão perceber também que estas que agora encontrarão nos postes, beirais, muros e casas, não estarão à espera deles para lhes indicar o percurso universitário, depois de concluído o 12º ano. Esse novo e importante caminho universitário terão de ser eles a fazer sozinhos, mas estamos certos também que o conhecimento adquirido nestes dias lhes será fundamental para, num futuro que se quer próximo, “não se perderem”.

Cada Caminho, como cada percurso universitário, é único, e a forma como cada um se relaciona com Ele, consigo próprio, e com os que o acompanham, também. Uma certeza lhes deixamos, dias INTENSOS aproximam-se. Iremos estar em sítios inimagináveis, às vezes até, acreditar que estamos perdidos, mas quando menos esperarmos eis que surgirá, como que do nada, uma seta amarela a indicar-nos a direção pretendida. Durante, e no final deste Caminho haverá sorrisos, medos ultrapassados, (des)ilusões, surpresas, falhas, conquistas, mas temos a certeza que todos se conhecerão melhor a si próprios, crescendo por dentro enquanto caminha(ra)m por fora.

Ultreya e Suseya.